quinta-feira, janeiro 28, 2016

Mão Humana


Pouco interessa a vida como é
quanto mais a um poema,

excluindo todo o espaço-temporal
que indaga e causa estranheza
em qualquer homem.

Tenho um sonho que não é nada disto,

reservo-o ao aprisionamento
da palavra, ao lugar do que ainda
não existe, mas é necessário
a qualquer natureza.

Assim se perdem demasiadas coisas
importantes a qualquer linguagem,

enquanto não exista uma forma eficaz
que nos aproxime, humanidade.

Pouco interessa a convenção utilizada
se é a arte quem descreve verdade

mesmo quando a literatura é borderline
e mente a todos os amantes,

mesmo quando alguém resiste
em escrever na mais absoluta
das pobrezas.

Tenho um sonho que não é nada disto,
e eles só pretendem outro

conforme o pré-estabelecido na normalidade
que não assino nem com um pseudónimo
e recuso porque é defeito de fabrico

numa engrenagem que já age
com uma réstia de mão humana.

Sem comentários:

Enviar um comentário